Apoiadora da ditabranda, Folha faz edição discreta para bater em “falas autoritárias” de Bolsonaro

Após se pintar para a guerra com o histórico editorial, jornal da família Frias fraqueja na edição deste domingo e convoca guru de Luciano Huck para dizer que ascensão da extrema-direita é culpa de Lula e "das medidas equivocadas dos governos do PT"

Capa da Folha deste domingo (1º) e Bolsonaro na Escola de Sargento das Armas, em Três Corações (MG) (Montagem)
 

Por Plinio Teodoro - Revista Fórum

  

Após se pintar para a guerra, no histórico editorial “Fantasia de imperador” contra Jair Bolsonaro na última sexta-feira (29), para rebater ao boicote conclamado pelo capitão contra os patrocinadores do jornal, a Folha de S.Paulo fraquejou e fez uma edição discreta para criticar as “falas autoritárias do governo Bolsonaro” neste domingo (1º).

Falando “grosso” e em letras garrafais durante todo o processo que culminou no golpe parlamentar que derrubou Dilma Rousseff da Presidência e levou o ex-presidente Lula à prisão – abrindo, assim, caminho para a eleição de Bolsonaro -, a Folha lembra agora o editorial de 17 de fevereiro de 2012, quando criou o neologismo “ditabranda” para se referir aos anos de ditadura militar no Brasil.

Além da reportagem da manchete – “Defesa de autoritarismo pelo governo Bolsonaro preocupa demais Poderes” -, que faz um apanhado da repercussão da declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre um novo AI-5, citando na última linha que “Bolsonaro tem intensificado a escalada contra veículos da imprensa, entre os quais a Folha”, a família Frias escalou um time de colunistas para escrever artigos sobre o “abuso de poder” de Bolsonaro.

A Folha ainda convocou o guru político de Luciano Huck, o ex-governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, para culpar Lula e “as políticas equivocadas de governos petistas” por “produzirem crise e alimentarem a ascensão da extrema direita” em longo artigo intitulado “Brasil vive entre riscos de extrema direita e recaída lulista”, escrito em parceria com Marcos Lisboa (Insper) e Samuel Pessôa (FGV).

Articulistas
Coube a Jânio de Freitas, uma das vozes mais sensatas do jornal, a defesa da liberdade de imprensa. Em artigo, o jornalista veterano diz que os ataques de Jair Bolsonaro à Folha mais servem aos outros jornais, revistas e tevês para pensarem sobre atos, e sobre si mesmos, do que para atingir a própria Folha em qualquer sentido.

“Afastado do convívio com a cúpula do jornal e da empresa, não ouso falar por um ou por outra. Mas a experiência é um prenúncio, e a memória da Folha guarda farta experiência de trato com pressões. Desde as pouco sutis queixas de Fernando Henrique e José Serra por determinadas demissões — do que há alvos e testemunhas em bom número — à invasão da empresa por Polícia Federal e Receita Federal a mando de Collor”, diz Jânio.

Já Bruno Boghossian diz que “Bolsonaro escancara abuso de poder para fins particulares”. “As críticas à imprensa sempre foram armas retóricas de Jair Bolsonaro. A medida tomada na última semana, no entanto, não representa apenas uma escalada nessa área. O governo já explora abertamente sua autoridade e o orçamento público como ferramentas para tentar intimidar e estrangular quem não estiver alinhado a suas vontades”, diz o colunista.

O jornal ainda destaca na capa uma entrevista com a presidenta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Simone Tebet (MDB-MS), que ressalta que “se a economia não reagir até o ano que vem, […] esse governo não consegue se sustentar”. A semiótica se completa com uma foto de Gaby Amarantos saindo de um “xerecão” para divulgar a reportagem com a cantora paraense, em que diz que “falar da vagina é tratar sexualidade feminina de forma mais livre”, dando uma alfinetada no discurso conservador de “bons costumes” do governo.

A Folha ainda fez uma reportagem sobre os atos e falas que seriam “pontes entre governo de Bolsonaro e a ditadura”. Desta vez, chamando o período repressivo comandado pelos militares no Brasil pelo verdadeiro nome.

 

fonte: https://revistaforum.com.br/comunicacao/apoiadora-da-ditabranda-folha-faz-edicao-discreta-para-bater-em-falas-autoritarias-de-bolsonaro/

CopyLeft Sapiens. 2019 Brasil