Marcelo Zero: Acordos Brasil-EUA são um grande negócio para eles; nossos vira-latas não servem nem para chafurdar no lixo

Marcelo Zero: Acordos Brasil-EUA são um grande negócio para eles; nossos vira-latas não servem nem  para chafurdar no lixo
Charge do Izânio, no Oitomeia

 

Acordos visam ampliar dependência dos EUA

Por Marcelo Zero*

 

A ignorância da nossa mídia sobre geopolítica e relações econômicas internacionais é apavorante.

Entre os vários acordos recentemente firmados pelo Brasil com os EUA, está um memorando de entendimento, o qual prevê financiamentos para o Brasil de até US$ 1 bilhão (equivalente a cerca de R$ 5,6 bilhões), fornecidos pelo EximBank (Export–Import Bank of the United States) dos EUA, para serem investidos em projetos de infraestrutura, inclusive telecomunicações e 5G.

A imprensa vê isso como um “grande negócio” para o Brasil, que poderá contar com essa quantia para desenvolver “importantes projetos”.

Ora, o EximBank é o BNDES de lá. Ele existe e opera exclusivamente para promover exportações de bens e serviços dos EUA. Os seus financiamentos só podem ser usados para isso.

Quaisquer financiamentos que o Brasil for usar, com base nesse memorando entendimento, terão de ser utilizados integralmente para comprar produtos e serviços made in USA.

Ou seja, o Brasil (ou empresas que vão tocar os projetos) vai contrair empréstimos para comprar bens e serviços norte-americanos.

Muito provavelmente, esse “generoso” dinheiro será usado, em grande parte, para a implantação do 5G no Brasil, eliminando a concorrência de empresas chinesas.

Tudo isso vem num momento de redução substancial da corrente de comércio Brasil/EUA e de aplicação contínua de medidas protecionistas contra produtos brasileiros, como alumínio, aço e etanol.

Assim, o Brasil vai usar o dinheiro do EximBank para ampliar ainda mais nosso déficit comercial com os EUA, que apenas até agosto já superava US$ 3 bilhões, bem como para aumentar a dependência tecnológica em relação à Washington.

Enquanto isso, nosso BNDES é desidratado, nossa construção civil pesada é destruída, nossas empresas são leiloadas e a nossa relação com a China, principal parceiro comercial do Brasil, é duramente atacada.

Nossos vira-latas, além de serem vira-latas, são míopes. Não servem nem para chafurdar no lixo.

 

fonte: https://www.viomundo.com.br/politica/marcelo-zero-acordos-brasil-eua-sao-um-grande-negocio-para-eles-nossos-vira-latas-nao-servem-nem-para-chafurdar-no-lixo.html

 

O Instituto Sapiens Brasil está em processo de criação,
este portal é experimental com finalidade de teste entre os membros e membras
do grupo de voluntários que está criando o projeto e tem caráter privado restrito ao grupo de testagem
CopyLeft Sapiens Brasil